Organização Contábil Carlos Muller

Boletim do Empresário
outubro 2014

Simples Nacional | Lei Complementar 147/2014

Inclusão de novas atividades a partir de janeiro de 2015

A Lei Complementar 147/2014, alterou a Lei Complementar 123/2006, que institui o Estatuto da Micro e Pequena Empresa que dispõe sobre o Simples Nacional. Com a finalidade de incentivar a pequena empresa, estendeu o benefício do regime de tributação diferenciada a outras categorias de prestadores de serviços.

As principais alterações estão relacionadas com a inclusão de novas atividades no Simples Nacional a partir de janeiro de 2015. Foi criada uma nova tabela, com alíquotas que variam entre 14,93% e 22,45% (Anexo VI). As alterações promovidas ainda são objeto de regulamentação pelo Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN).

Agora, poderão também optar pelo Simples Nacional a Micro e Pequena Empresa tributada com base no:
Anexo I ou II
• Produção e comércio atacadista de refrigerantes.
Anexo III
• Fisioterapia.
• Corretagem de seguros.
• Serviço de transporte intermunicipal e interestadual de passageiros, na modalidade fluvial, ou quando possuir características de transporte urbano ou metropolitano ou realizar-se sob fretamento contínuo em área metropolitana para o transporte de estudantes e trabalhadores (retirando-se o ISS e acrescentando-se o ICMS).
Anexo IV
• Serviços Advocatícios.
Anexo VI
• Medicina, inclusive laboratorial e enfermagem.
• Medicina veterinária.
• Odontologia.
• Psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia, clínicas de nutrição, de vacinação e bancos de leite.
• Serviços de comissária, de despachantes, de tradução e de interpretação.
• Arquitetura, engenharia, medição, cartografia, topografia, geologia, geodésia, testes, suporte e análises técnicas e tecnológicas, pesquisa, design, desenho e agronomia.
• Representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros.
• Perícia, leilão e avaliação.
• Auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle e administração.
• Jornalismo e publicidade.
• Agenciamento, exceto de mão-de-obra.
• Outras atividades do setor de serviços que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, desde que não sujeitas à tributação na forma dos Anexos III, IV ou V da LC 123/2006.

Limite extra para exportação de serviços

A partir de 2015, o limite extra para que a EPP tenha incentivos para exportar passará a abranger mercadorias e serviços. Dessa forma, a empresa poderá auferir receita bruta anual de até R$ 7,2 milhões, sendo R$ 3,6 milhões no mercado interno e R$ 3,6 milhões em exportação de mercadorias e serviços.

Baixa de empresas

Poderá haver a baixa de empresas mesmo com pendências ou débitos tributários, a qualquer tempo. O pedido de baixa importa responsabilidade solidária dos empresários, dos titulares, dos sócios e dos administradores no período da ocorrência dos respectivos fatos geradores.

MEI - Contratação por empresas

Para a empresa que contrata MEI para prestar serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos, extinguiu-se a obrigação de registro na GFIP e recolhimento da cota patronal de 20% (o art. 12 da LC 147/2014 revogou retroativamente essa obrigatoriedade).

Todavia, quando houver os elementos da relação de emprego, o MEI deverá ser considerado empregado para todos os efeitos. Adicionalmente, a LC 123/2006 estabelece que o MEI, a ME e a EPP não podem prestar serviços na modalidade de cessão de mão-de-obra.

Agendamento da opção

As empresas interessadas poderão agendar o seu ingresso no Simples Nacional entre o primeiro dia útil de novembro e o penúltimo dia útil de dezembro de 2014, no site da Receita Federal. Todavia, a tributação pelo novo regime só valerá a partir de 1º de janeiro de 2015. Não será necessária nenhuma alteração na Junta Comercial. O agendamento também poderá ser cancelado no mesmo período.

Planejamento tributário

Vale lembrar que antes de aderir ao novo regime é necessário que o empresário avalie se efetivamente será beneficiado com a forma simplificada de recolhimento dos tributos e cumprimento das obrigações acessórias, uma vez que o benefício pode variar de acordo com seu faturamento bruto anual e com o tamanho da folha de pagamento.

Simples Nacional | Lei Complementar 147/2014
Inclusão de novas atividades a partir de janeiro de 2015
Contabilidade | Contas Bancárias
Controles são essências para gestão do capital de giro
Prática Trabalhista | Atestados Médicos
Para justificar e/ou abonar as faltas do empregado
Tributos Federais | Imposto Retido na Fonte
Prestação de serviços de propaganda e publicidade
Prática Fiscal | Carta de Correção Eletrônica
Cuidados na utilização da carta de correção eletrônica

Outras edições

2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006

Deixe seu email para receber nossa newsletter